CDAN

CDAN - Huesca, ES

O CDAN é uma notável instituição, sediada em Huesca (52.500 hab.), capital da Diputación homônima (de apenas 228 mil hab.), uma das três unidades administrativas da Comunidade Autônoma de Aragão, cuja capital é Saragoça.

O CDAN foi fruto de um processo de evolução do interesse daquele governo regional, a partir de princípios dos anos 90, em estimular uma arte que trabalhasse as relações entre arte e história, arte e lugar, arte e território/natureza, por meio do comissionamento de obras de arte permanentes e pela realização de simpósios, coleção de livros, exposições, projetos e similares, que acabaram resultando na criação, em 1999, da Fundação Beulas, a qual leva o nome do pintor José Beulas (1921).

Essa fundação foi estabelecida para manter a nova instituição, o CDAN, cujo edifício foi inaugurado em 2006 e trata-se de um significativo museu de arte contemporânea, projetado pelo prestigiado arquiteto Rafael Moneo (1937). O CDAN possui coleções abrigadas no próprio museu, como a coleção Beulas-Sarrate, e também incorpora as obras do projeto Arte y Naturaleza, que foram sendo comissionadas desde 1994, o objeto desse ensaio: as obras land art de Richard Long, Siah Armajani, Fernando Casás, Ulrich Rückriem, David Nash e Alberto Carneiro, situadas em vários e distantes pontos da Diputación de Huesca.

Após quase vinte anos de sucesso do projeto Arte y Naturaleza, eis que o novo governo de Aragão, com assento decisório na Fundação Beulas, resolveu alterar a condução do CDAN, dispensando Teresa Luesma da direção da instituição, em fevereiro de 2012. Mesmo com a reação de diversas entidades da Espanha e exterior os apelos para fazer a decisão ser revertida não foram suficientes.

Confira as obras da coleção land art do CDAN:

Ulrich Rückriem. 
Século XX, 1995.
20 estelas de granito rosa, 4 x 1 x 1 m (cada).
Abiego, Huesca, Espanha.

David Nash.
Três Vessels de Sol para Huesca, 2005.
Três troncos de carvalho, com 430 x 90 cm (cada),
e uma rosa-dos-ventos em bronze.
Berdún, Huesca.

Alberto Carneiro.
As árvores florescem em Huesca, 2006.
Granito, mármore negro e bronze, 5 x 7 x 7 m.
Belsué, Huesca.

Per Kirkeby.
Plan, 2009.
Tijolos, 467 x 623 x 623 cm.
Plan, Huesca.

Siah Armajani.
Mesa para pic-nic, 2000.
Constru¬ção em madeira (iroko), 3,5 x 7 x 7 m (49 m2).
Bielsa, Huesca.

Fernando Casás.
Árvores como arqueologia, 2003.
8 monólitos de granito (507 x 115 cm, cada).
Piracés, Huesca.

Edifício do CDAN.
Projeto de Rafael Moneo.
2000, Huesca.